] quarta-feira, outubro 01, 2008
 
quem mandou procrastinar?

é, eu sou bem o tipo que fica horrorizada com certas comunidades no orkut.

ok, esse é o momento pra me chamar de idiota.

eu fico, pombas!

porque não é muito lógico tu estar numa comunidade tipo "eu amo meu marido" ou "meu marido é lindo" ("meu filho é lindo" é elevar a bizarrice à décima potência). porque sim, tem quem não ame, né? o marido. mas a) se tu não ama, provavelmente não diz; b) se tu tá casada, a conclusão óbvia de que tu ama teu marido é o motivo pra não precisar existir uma comunidade assim. porque, vejamos, é bizarro ter que dizer pra meio mundo que tu ama teu marido. assim, no orkut.

a não ser, claro, que essa seja da categoria de comunidades feito aquela "eu nunca morri na minha vida!".

já "meu marido é lindo" é patético. porque raramente ele não vai ser lindo. pra ti. e se ele for feio e tu tiveres a nítida noção disso, não irias espalhar. mas se espalhasse, isso, sim, seria uma comunidade genuína. o óbvio ululante, que é achar o marido lindo, não serve nem pra categoria "eu nunca morri na minha vida!"

e, bom... as pessoas que eu conheço que estão nessa último comunidade... veja bem, são aquelas casadas com os caras mais blé que EU tenha conhecimento. mas isso sou eu. então se tu casou por amor e acha o cara bonito, por que cargas d'água vai ter que dizer isso na comunidade?

mas o que eu mais fico boba é comunidade tipo "aborto, não!"

como assim "aborto, não!"? me explica, que eu realmente não entendo. porque a pessoa pode não ser adepta da prática. pode escolher não fazer. pode ter a convicção de que jamais faria aborto nessa vida. pode até achar a prática uma coisa terrível. mas bradar "aborto, não!" me parece que não é o "eu não faria aborto", mas sim um "TU não me faz aborto, hein, tche?!"

agora veja. a pessoa faz aborto se quiser, assim como ela casa com um cara loiro se quiser. assim como ela escolhe fazer psicologia e não engenharia. pra mim é totalmente surreal uma pessoa dizer "aborto, não!"

e não tou falando de fazer protesto contra clínicas de aborto, que é mais surreal ainda. eu digo a pessoa bater pé e dizer "aborto, não!". como assim, meo? quem é que manda em mim? quem paga as minhas contas? quem cria o filho? quem é que sabe os calos que me dóem?

e olha, eu acho absurda essa coisa de a gurizada simplesmente fazer aborto porque, bom, deu sem camisinha ou coisa que o valha e agora sentiu o cutuco e é só ir lá e rapar tudo.

mas não consigo admitir uma pessoa ser contra o aborto, assim, enquanto coisa prática. a pessoa pode, claro, achar que aborto é assassinato. pode, né? direito dela. mas não é a mesma coisa que ser contra... tipo... sei lá, matança de animais. a pessoa tá lá fazendo um aborto e isso interfere no corpo dessa pessoa em especial. provavelmente essa pessoa seja do tipo que acredite que abortar não provoca dor e nem pode ser considerado assassinato. diferente da dor, pra seguir o exemplo acima, causada aos animais nos abatedouros, por exemplo.

o que eu acho legal é que a pessoa que assume o "aborto, não!" com tanta veemência não tem a mesma posição contra a pena de morte, por exemplo. ou contra a execução sumária de "bandidos" pelos policiais. é a mesma pessoa que diz asneira tipo "eu como carne porque Deus fez os bichos pra serem alimento das pessoas". ok, se tu acredita que bicho foi criado pra isso, deve acreditar também que eles morrem magicamente, sem dor e sofrimento. (o que aliás me espanta, porque nunca vi donde tiraram que bicho foi feito pra isso)

mas enfim, vou voltar à tese que ganho mais.

[ Penkala ] 18:20 ] 0 comentários

 
eu uso óculos




CLICA QUE VAI:
www.flickr.com
Penkala's eu, casa & coisas photoset Penkala's eu, casa & coisas photoset

BLACK BIRD SINGING:

Get Firefox!








Powered by Blogger


RSS