] domingo, maio 17, 2009
 
resistências

as resistências de chuveiro e os gás de cozinha existem pra comprovar aquela teoria que diz que as coisas ruins sempre acontecem quando se está precisando que elas não aconteçam.

o gás de cozinha sempre acaba quando se está no meio do cozimento de uma comida complicada (nunca é uma miojo). e normalmente isso acontece quando é tarde e não tem nenhuma entrega de gás aberta. a comida, que tu preparou com tanto carinho, pra qual tu cortou temperos, quando tu tirou tampões de dedo com aquela faca afiada, essa comida vai pro lixo. dá muita pena, te corta o coração, porque desde a compra dos ingredientes no supermercado até a última pitada de sal, tudo foi feito com amor e muita fome. a comida vai pro lixo, tua ida ao supermercado também, teu tampão de dedo e tal, e tu vai dormir com fome. porque o maldito gás acabou.

a resistência do chuveiro, a mesma coisa. no verão, mesmo na posição "morno" tu não suporta o calor dentro do banheiro. aí chega a primeira semana de inverno, que, onde tu mora, demorou pra começar, mas quando começou, veio logo com 12 graus. tu chega cansado em casa, não tem saco nem pra trocar de roupa e colocar um pijama confortável. aí, quando chega tarde da noite e tu queres deitar, tu vai tomar um banho pra esquentar cada osso e cada pedaço de pele arrepiada do teu corpo, e aí tu entra no banho, começa a ensaboar e a resistência explode. tu só tem vontade de chorar olhando praquele maldito chuveiro, pro teu corpo ensaboado, pra água que sai gelada, em jorros, daqueles furinhos amarelados. e tu tá sozinho, com frio, cansado. tira o sabão sabe lá como, enrola uma toalha no corpo pra fazer aquela tremedeira parar, e vai dormir com as costas e os pés congelados.

e não bastasse tudo isso, no dia seguinte tu bate na porta do síndico, uma espécie de faz tudo no prédio que tem ferramentas até pra fazer pegar com ligação direta um ônibus espacial. mas o síndico viajou. a resistência nova na mão, o medo de levar choque, as instruções complicadas no manual, e tu toma banho de canequinha.

é a lei. as coisas ruins acontecem quando tu tá menos preparado, quando tu tá mais frágil, quando tu tá mais cansado, e quando todas as outras coisas ruins estão acontecendo junto. tu não pode controlar as coisas ruins. e nem a viagem do síndico. então tu respira fundo, abre a caixa de ferramentas, monta a escada, desliga a geral, e abre o chuveiro. e é aí que tu descobre que, neste mundo, tu só deve contar contigo mesmo, com a capacidade de desvendar um manual de resistência e com a certeza de que chorar porque o síndico resolveu viajar não adianta nada.

PS: das profundezas da minha falta de conhecimento total de eletricidade, eu acabei entendendo que o meu chuveiro, que sempre foi o melhor de todos, que esquentava pra caralho, que me dava alívio quando estava frio e eu não conseguia dormir com as costas geladas, não vai mais funcionar no "muito quente". A NÃO SER, É CLARO, QUE O ELETRICISTA VENHA FAZER UMA PEQUENA/GRANDE REFORMA: DESMONTAR TODA A CAIXA DE DISJUNTORES E COMEÇAR DO ZERO. o "quente", que no inverno vira menos que "morno", é o que vai ser, por enquanto, porque a rede elétrica daqui de casa, depois dos dois splits, só suporta o "quente" mesmo. garrafas pet cheias de água muito quente me esperam. até o dia em que acabar o gás às 11 horas da noite.

[ Penkala ] 10:50 ] 1 comentários

 
eu uso óculos




CLICA QUE VAI:
www.flickr.com
Penkala's eu, casa & coisas photoset Penkala's eu, casa & coisas photoset

BLACK BIRD SINGING:

Get Firefox!








Powered by Blogger


RSS